5

EXPLÍCITO

antidio-lunelliComo algumas pessoas só gostam de ler “figurinhas” – que praticamente não exige raciocínio – vou repetir algo que escrevi na postagem anterior e com alguns aditivos.

Apontei:

“Talvez, a palavrinha faltante nas medidas econômicas seja: temporária.

Algo assim:

“Tais medidas terão duração TEMPORÁRIA e permanecerão até a data de 31 de dezembro de 2017, podendo sofrer alterações gradativas de conformidade com a reação da economia do país e consequente aumento na arrecadação”.

Pois, a grande maioria não leu isso. Coloquei (agora) em maiúsculo com alguma esperança.

Sugiro – ainda – fazer mais:

  • DEMITIR comissionados do PP – Partido Progressista e do PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro com redução de 50%. O Presidente de cada partido indica quem será demitido e se não o fizer, o prefeito decide por sua livre escolha.
  • DEMITIR quem fez os Projetos de Lei – sem avaliar, posicionar claramente e alertar ao Prefeito para as consequências.
  • REDUZIR em 20% os salários de Prefeito, Vice e Secretários que permanecerem e nos mesmos moldes – temporariamente – dos servidores.
  • CORTAR funções gratificadas em 100% – também temporariamente
  • CORTAR remuneração de Conselhos, Juntas, correlatos e assemelhados. Há denúncias de remuneração tríplice. existem “deitados” trabalhando de menos e recedendo demais.
  • EXONERAR encarregados, chefes, gerentes, diretores que sabem e são coniventes com os que “não gostam de trabalhar”.

Não vou citar outras medidas administrativas NECESSÁRIAS para que não sirva de alerta aos que serão atingidos. Alguns “pegos com a mão na massa”.

Reunir numa mesma mesa para a tomada de decisões: Sindicato dos Servidores, base governista na Câmara de Vereadores e Secretário de Administração.

Redigir uma nota oficial sobre o encontro – assinada por todos – e divulgar para a população.

O momento é de “colocar a casa em ordem”, pagar credores e enfrentar dias duros que virão pela frente.

11

VAI ATRASAR

Sem medidas econômicas duras para o município, o caso não carece de genialidade de matemática financeira para um vaticínio sombrio:

A FOLHA DE PAGAMENTO DA PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL VAI SOFRER ATRASOS!

Com um rombo de R$25.000.000,00 deixado pela administração passada e um déficit de R$ 37.000.000,00 projetado para 2017, a conta é muito simples:

– A prefeitura precisa buscar um superávit de R$5.166.666,66 mensalmente para fazer frente aos dispêndios.

Dito isso vem a choradeira:

– Ah! Mas o servidor é que não pode pagar pelos desmandos

– Ah! O servidor passou por concurso público duríssimo e merece ser “poupado”

– Ah! O servidor tem estabilidade, passou no concurso, é uma casta diferenciada, é o suprassumo da inteligência, é a última bolacha do pacote e não pode ser penalizado!!

Não vou discutir méritos para não incorrer em erros e escrever algo indevido, mas vou definir assim:

– Existem servidores exemplares, dedicados e que deveriam até ganhar mais do que recebem atualmente, mas existem pessoas que não merecem a denominação de “servidor público”.

Talvez, a palavrinha faltante nas medidas econômicas seja: temporária.

Algo assim:

“Tais medidas terão duração temporária e permanecerão até a data de 31 de dezembro de 2017, podendo sofrer alterações gradativas de conformidade com a reação da economia do país e consequente aumento na arrecadação”.

Sobre aumento nas despesas, vamos lembrar:

– A prefeitura contratou – por concurso – na administração Dieter/Jaime, o módico número de 800 servidores, sinal de que o concurso não é tão difícil assim.

– Recomendei dezenas de vezes ao prefeito anterior que demitisse os “teteiros comissionados” e que foram produzidos pela coligação amazônica de 10 partidos políticos, entre os quais, o PT, PP, PMDB, PCdoB e outros menos votados. Órgão inteiros funcionaram só com comissionados.

– Falei ao então prefeito – diversas vezes – sobre a crise anunciada após as eleições de 2014. Usei o termo: prever para prover. Os asseclas que o cercavam entenderam que “era palpite demais” e de quem não participava da administração.

Como acho que conheço “um pouquinho de administração pública”, voltem lá no segundo parágrafo!!

Em pouco tempo me darão razão…de novo!!

2

RETRATAÇÃO

carica 2014Desde a sexta-feira da semana passada – quando revelei quem foi o autor de acusação criminosa contra minha pessoa – recebi mensagens e telefonemas do autor, o fiscal da Prefeitura de Jaraguá do Sul.

Acertamos em comum acordo que:

– O referido servidor compareceria no meu local de trabalho na terça-feira – dia 28 de fevereiro às 10 horas da manhã.

– Que apresentaria sua RETRATAÇÃO perante a direção e colegas da empresa onde laboro.

O referido servidor cumpriu o acordado e afirmou que “não sabia explicar a destemperança e as agressões gratuitas, além de dizer categoricamente “não me conhecer”.

Relatou ainda “problemas pessoais” – que teriam motivado a atitude – o que não me diz respeito e não vou tornar público.

Assumi dois compromissos com o referido servidor:

– Desmobilizar meus advogados para duas ações: uma cível e outra criminal, cabíveis no caso.

– Retirar a postagem que o identifiquei.

Estou cumprindo a promessa!

14

PEDIDO DE DOCUMENTOS

Tenho uma “certa queda por documentos da administração pública”.

Gosto do cruzamento de dados, observações minuciosas, pesquisas, confronto de números.

Vou protocolar nos próximos dias – com fulcro na Lei de Acesso à Informação e direto no gabinete do prefeito Antídio Lunelli – 3 (três) solicitações de documentos:

01 – Sobre Estacionamento Rotativo;

02 – Sobre Controladores de Velocidade, semáforos, tachões e afins;

03 – Sobre compras diversas (em produtos específicos) em setores diferentes da administração.

Também vou procurar por credores da Prefeitura de Jaraguá do Sul. Há relatos de pendências com mais de 6 meses e dívidas superiores a R$500 mil  para um único fornecedor.

A queda permanente de arrecadação – que vem ocorrendo desde o último trimestre de 2014 – alegada em verso e prosa, salvo melhor juízo, deveria ter merecido atenção.

Todos se lembram que: o Brasil antes das eleições presidenciais de 2014 apresentava um cenário amplamente favorável.

Após as eleições, a verdade veio à tona: recessão guardada em segredo criminoso e a queda da máscara que revelou a nossa realidade.

No período de 2013 à 2016 da administração de Jaraguá do Sul – governo Dieter Janssen – citei várias vezes sobre a necessidade de enxugamento da máquina pública.

Quem quiser comprovar – e o trabalho é muito pequeno – basta acessar o sistema de busca do blog.

A conta de R$62.500.000,00 (valores até o final de 2017) – R$25 milhões de rombo + R$ 37 milhões de déficit – precisa ter origem/destino, responsáveis e vou dar um começo com análise de documentos.

Vamos observar sob a ótica dos princípios constitucionais contidos na sigla L.I.M.P.E (Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência) – se observados – onde ocorreram erros.

Achando indícios de irregularidades – assino REPRESENTAÇÃO para o Ministério Público.

7

CAÇAR COM LUPA

investigaçãoA prefeitura de Jaraguá do sul deveria promover uma “caçada com lupa” nos preços praticados em todas as compras e de todos os setores nos últimos anos.

Sugeri – lá em 2012 – uma auditoria completa e esmiuçada. Ninguém deu ouvidos e sabe Deus os motivos.

Estou sugerindo mais uma vez!

Recentemente e em olhada rápida, descobri que os preços pagos como aluguel aos equipamentos de controle de velocidade, é o mais caro do Estado.

Deve ter um motivo!

Também recente, a compra de queijos para a merenda escolar levantou suspeita: um distribuidor estava cobrando R$4,00 a mais – do que o lugar mais caro de Jaraguá do Sul.

Há algo de errado!

No mínimo, o total desleixo e descompromisso com o dinheiro público.

As ferramentas adequadas para abrir essa Caixa de Pandora – talvez baú – deverá revelar coisas do arco da velha!!

34

CORTAR OU FALIR

divisãoO chamado PEF – Pacote de Equilíbrio Financeiro – anunciado pela administração de Jaraguá do Sul – leia-se Antídio Lunelli (PMDB) – é um remédio que deveria ter sido ministrado nos primeiros meses, após as eleições presidenciais de 2014.

A revelação de que o Brasil estava falido – diferente do que o PT dizia e mentia – era motivo suficiente para que prefeitos fizessem o dever de casa, ou seja, cortes drásticos.

A arrecadação esteve em queda livre em 2015, permaneceu em 2016 e isso não “alertou” aos administradores de antão. Se alertou, o ano eleitoral demoveu todos dos chamados “remédios amargos”.

Agora – sem saída – a decisão é inadiável e sobrando dores, choradeiras, resmungos e etc. para todos os lados.

No caso específico de Jaraguá do Sul – caso a administração mantenha tudo como está e sem mudar absolutamente nada – o município chegará em dezembro de 2017 com uma dívida de R$62.500.000,00.

Em resumo: falida, com possibilidades reais de fechamento de setores ou paralisação total de outros, inclusive essenciais.

A falta de ações neste momento – com ou sem chororô – significa a derrocada total no final do ano.

E por óbvio – próprio do ser humano – a navalha do corte pode atingir todos os bolsos, menos o próprio.

Neste momento é preciso pensar no todo e não apenas numa parte integrante da população jaraguaense.

Há outros caminhos?

Quais?

Para evitar cortes – que mexam nos bolsos dos servidores, por exemplo – qual será a fonte de recursos?

Há dinheiro para ser remanejado?

De onde?

Dias turbulentos virão.

Não há cura com remédios saborosos!

 

 

7

PAI DE SANTO

Lula Pai de SantoPassado o meu período de férias e com olhar calmo sobre tudo, a hora é de retomar a vida e a política.

Andei observando atentamente os últimos acontecimentos: posse do novo prefeito, novas maracutaias Brasil afora, matanças em presídios (que até parece um campeonato brasileiro), cenários da política no Estado e por aí afora.

Para não fazer um texto demasiadamente longo – que não gosto e acho que ninguém gosta – vou limitar esta postagem ao nosso quintal.

O título do post tem a ver com a “sanha” por cargos na administração pública de Jaraguá do Sul.

– Acho que o prefeito Antidio Lunelli precisa procurar um Pai de Santo: o que tem de “encostos” à sua volta!!!

Há Partido Político confundindo “aliado de campanha com bafejado na sua sanha”.

Apoiar campanha eleitoral não é (não deve ser) sinônimo de cargo público em escalões inferiores.

Pior ainda: o prefeito ter no seu “staff” algumas pessoas sem conhecimento de causa e outras, sabidamente “teteiras”.

Os cargos mais cobiçados são os de “diretor”, cujos estipêndios ultrapassam R$10.000,00.

Duvido que na iniciativa privada, os tais diretores consigam “a metade” dos salários do município.

13

TROIA

Cavalo de TroiaQuem gosta de ler ou alimenta alguma curiosidade sobre a história da humanidade já deve ter ouvido falar sobre a Guerra de Troia. Narrada por Homero em suas Ilíadas – conta sobre o conflito bélico entre gregos e troianos por volta de 1.300 a.C.

O resumo é assim: a rainha Helena, esposa de Menelau – rei  de Esparta – foi sequestrada por Páris que era filho de Príamo. Cumpria-se a promessa de Afrodite de que Páris teria a mulher mais bonita do mundo.

Para recuperar a esposa, o rei Menelau juntou-se ao seu irmão Agamenon – rei de Micenas – e com uma frota de mil navios atacaram Troia.

Os troianos possuíam muralhas intransponíveis e os gregos – incansáveis nas tentativas de trazer Helena – mudaram a tática: enviaram de presente ao rei Príamo um cavalo gigante de madeira, porém, cheio de guerreiros. Assim, os muros de Troia foram vencidos, ocorreu uma mortandade de troianos e os invasores, finalmente, venceram.

O relato é para dizer que: “o governo do Estado está querendo mandar o cavalo de madeira” para Jaraguá do Sul ao anunciar a construção de um presídio no município.

É um verdadeiro presente de grego!

Segundo consta, o complexo teria capacidade para 336 vagas (o que nunca é respeitado), já disporia do terreno e o investimento seria da ordem de R$57 milhões de reais.

Outros municípios cotados para “receber o presente” seriam: Mafra e São Bento do Sul.

Na avaliação dos “iluminados” da Secretaria de Estado de Cidadania e Justiça, os municípios “contemplados com a viabilidade” são àqueles onde não existem penitenciárias.

Por que é um presente de grego?

Porque no entorno dos presídios ou penitenciárias, é comum  o surgimento de bolsões de pobreza que reúnem: familiares dos presos, amigos dos presos e comparsas dos presos. Sem falar nos riscos permanentes de fugas, rebeliões, correlatos e assemelhados.

Nenhum município quer “uma penitenciária” como brinde!

Ao que sei – e sei – não sequestramos Helena!

10

OPERAÇÃO BOCA DE LOBO

Boca de LoboCalma!

Não se trata de nenhuma fase nova da Lava Jato ou algo semelhante, mas a necessidade de se fazer algo em Jaraguá do Sul no que diz respeito aos bueiros.

As bocas de lobo (sem hífen) estão quase todas entupidas. Sem exageros: mais de 98% estão comprometidas por lixo, terra, mato e algumas, receberam descartes de concreto ou cimento de alguns porcos (com o devido perdão dos suínos).

Uma chuvinha – que poderia passar desapercebida – se transforma num caos e as enchentes povoam as mais diferentes localidades.

A última vez que se teve notícias da abertura de tais bocas de lobo – e não foi para limpezas – ocorreu por volta de 1994. Transcorria o governo de Durval Vasel (PTB) e os “reclamos do povo” versava sobre a quantidade de baratas e ratos que habitavam esses locais.

As bocas de lobo foram “bombardeadas” e vimos pelas ruas centenas de quilos do asqueroso inseto, além de ratazanas que pareciam criadas à base de “strudel”.

Depois disso – e lá se vão 23 anos – nada mais foi feito, salvo algo isolado aqui e acolá.

A limpeza das bocas de lobo – pura e simples – não resolve os sérios problemas pluviais que temos na cidade, mas minimizam em 50%!

-E então, prefeito Antídio? Vamos fazer a operação boca de lobo?

5

MENSALINHO/ACHACADOS

divisãoFui procurado por um assessor legislativo da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul – com o compromisso de manter seu nome no mais absoluto sigilo – e que revelou algo que vai além do interessante: sempre devolveu parte do salário para o vereador.

O fato não é novidade e aqui mesmo em Jaraguá do Sul há procedimento na Justiça apurando tal prática.

Após relato substancioso, o referido assessor disse que “há mais colegas na mesma situação”.

Vou ajudá-lo!

Estou colocando minha “banca de advogados” ao inteiro dispor – gratuitamente – para buscarmos o melhor caminho. Além da denúncia do crime cometido e que será levado às barras dos Tribunais, o meu entendimento é de que: o percentual do salário que foi repassado deve ser devolvido por quem recebeu indevida e criminosamente.

Vou aguardar que outros assessores que foram achacados, também demonstrem boa vontade em denunciar.

Faremos tudo sigilosamente!

Dou minha palavra!!