13

DEMISSIONÁRIA

Manu-1Informações de bastidores, ou seja, extra-oficiais – dão conta de que: a atual Secretária de Saúde do Município de Jaraguá do Sul Emanuela Wolf – PMDB – pediu demissão do cargo na manhã de hoje.

Ainda de acordo com os bastidores, o motivo teria sido um “arranca-rabo” com o Secretário de Administração e finanças, Ademar Possamai -DEM.

Pode ser que não haja nenhuma ligação, mas na semana passada servidores da saúde ameaçavam entrar em greve por conta de horas extras que não teriam sido pagas. Houve promessa de uma folha de pagamento complementar e a coisa toda arrefeceu.

Há dias – contando com o estrito prazo de desincompatibilização – outros integrantes da atual administração (notadamente do PMDB) anunciaram o desligamento com vistas ao pleito eleitoral de 2016.

A Manu – como a Secretária de Saúde é conhecida – seria um dos nomes.

A pasta da saúde é extremamente técnica e desgastante. O caso das horas extras em favor dos servidores – principalmente, motoristas de ambulâncias – já vem de tempos.

10

SANHA CONTINUA

tetasSanha: Desejo que não se consegue controlar!

Pois, o desejo incontrolável por cargos na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, continua.

No entanto, o momento é outro! Depois da partilha do butim – com reuniões e tudo – agora são os pretendentes que correm atrás de uma tetinha.

Na sexta-feira (com direito ao alagamento nas dependências da Casa de Leis), o pau fechou num gabinete do térreo.

Explicação?

-Aconteceu o desmame de um assessor!

Detalhe importante: o assessor-professor vivia defendendo o seu senhorio  nas redes sociais, cantava loas às qualidades do patrão (que o empregou com dinheiro público) e acabou sendo demitido.

Na época dos elogios – meados de 2015 – foi alertado sobre a falsidade reinantes entre políticos, notadamente o seu feitor.

Não acreditou e deu no que deu!

-Alguém duvida que teremos revelações interessantes no período eleitoral?

Sigamos em frente!!

9

JACUS RABUDOS

Jocimar-dos-Santos-de-Lima

Vereador Jocimar de Lima (PSDC) – colegas engavetam Comissão Processante.

As redes sociais estão cheias de “entendidos” em todos os assuntos e a maioria não sabe “lhufas” do que fala.

São os chamados “Jacus Rabudos”!!
O ARQUIVAMENTO da REPRESENTAÇÃO que fiz contra vereadores da Câmara de Jaraguá do Sul, versou sobre o seguinte:
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA POR OMISSÃO
No entendimento do ilustre Promotor de Justiça, os vereadores não cometeram o ato porque votaram (pelo arquivamento do pedido de COMISSÃO PROCESSANTE) na sessão.
Não compete ao MP – nem ao Judiciário – dizer se vereador deve votar contrário ou favorável.
Deram o voto para o ENGAVETAMENTO, ou seja, cumpriram a função.
A avaliação – se o ato foi correto ou de TAPETEIROS – é do eleitor.

Nos demais documentos acostados – o entendimento que não dizem respeito à 6ª Promotoria de Justiça –  é até possível, o que discordo.

Mas aí são outros quinhentos, outra discussão.

O caso não acabou e outras nuances virão à tona.

O advogado Fernando Barth – que está cuidando do caso da ex-assessora e esposo – prometeu revelações explosivas para as próximas horas.

Vou fazer uma entrevista com o causídico.

Aos apressadinhos, o conselho é pertinente:

– Não contem com o ovo na cloaca da galinha! Ainda é cedo e outros detalhes virão em breve!


Simples, não?

19

CARGOS EM DISPUTA

batendo cabeçaAs nomeações de concursados na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul está causando um reboliço!

Mais: na volta dos trabalhos legislativos de 2016, o que acontecerá na próxima terça-feira, o caldo vai ferver.

Multas aplicadas pelo Tribunal de Contas do Estado, assunção de concursados, demissão de comissionados e apaniguados decepcionados – mais alguns temperos – deverão fazer parte da pauta!!

Brigas de bastidores por cargos, também estão no rol dos condimentos! Há quem tenha dormido diretor administrativo e acordado assessor parlamentar!

Até o ex-servidor Rui Lessmann – hoje cuidando dos seus afazeres e aposentado do serviço público – foi chamado de volta para que a “Casa de Leis não pare por falta de conhecimento dos ritos”. Soletrou um sonoro NÃO!

Estão discutindo se devem ou não dar continuidade em Projetos. Um deles é o “Câmara.com.você”. Precisam ler as obrigações legais: não há o que discutir, afinal de contas, se trata de Lei.

E diante do descumprimento de uma Lei, a galera já sabe o que acontece…

Há sérios riscos de erros crassos de encaminhamentos de documentos no Legislativo.

Alguns estão inconformados e outros mudando de partido para agradar aos novos mandatários da Casa de Leis.

Ingratidão transforma aliado em inimigo…

3

INCONFORMADOS

gravador digitalPreciso atualizar as informações e só não o fiz por absolutamente falta de tempo.

Sim! Vamos somar o cansaço!

A semana foi movimentada! Aliás, os fatos marcantes estão acontecendo desde a semana passada!

Há uma situação sui-generis:

Um grupelho (que possui muito mais a ver com uma facção criminosa – por conta da ficha de antecedentes de alguns integrantes) anda batendo cabeça e incomodado com as verdades que ando revelando. sem contar outras que estão encontrando.

Por exemplo:

1 – No portal da Transparência da Câmara de Vereadores – onde constam as despesas, pagamentos e etc, etc – não encontram meu nome como prestador de serviços.

Ora, o meu trabalho sempre foi o de acompanhar as sessões legislativas – e lá se vão 26 anos – sem receber nenhum pagamento. Questão de opção e premissa de liberdade! Assim, o apontamento de erros e acertos (muito mais erros) não depende de aval e nem permissão.

Aliás, a revelação abaixo é cabeluda:

-Tenho a gravação de um político oferecendo pagamento para o meu blog e minha resposta foi um sonoro e retumbante NÃO!

2 – Acham que podem mandar recados por vias transversas.

Atitude típica de grupelho de política rasteira e asquerosa, mamadores de intenção duvidosa – que já andam pensando em como ‘repartir os despojos” da Prefeitura. Querem cargos, mamar nas tetas do erário e sabem que posso atrapalhar.

Diante disso – o que é comum entre eles – já tentaram me intimidar e citaram o meu local de trabalho como alvo da facção.

Respondi com a calma que me é peculiar:

– Meu local de trabalho não depende de verba pública! Temos uma equipe competente e de primeira grandeza. Mais: tenho carta branca, a confiança no meu profissionalismo, projetos apresentados (vitoriosos, por sinal) e respondo pelos meus atos. Portanto, a minha filiação não é de pai assustado e vou revelar as verdades que insistem em esconder – gostem ou não!

O que estão fazendo, ou melhor, tentando fazer – funciona como combustível para mim!

Sou chegado numa encrenca e esta, já topei!

7

VOU

carica 2014Assino nesta segunda-feira – por decisão esmagadora dos leitores – procuração para que um advogado acione a Justiça no caso da ofensa contra minha honra cometida por um vereador de Jaraguá do Sul.

Alguns leitores fizeram o seguinte questionamento:

-Fosse o contrário, o tal vereador não o processaria?

Pela gravidade da ofensa e pela metodologia utilizada – redes sociais – posso garantir que processaria.

Assim sendo, o caminho não pode ser outro! Sem falar que o caso chegou ao meu local de trabalho, o que causou mal estar e constrangimento.

-E por que submeti ao crivo dos leitores?

Porque são pessoas que me acompanham desde 19 de abril de 2009, fiéis e decisivas em todas as ocasiões. São leitores que vivem os acontecimentos políticos de Jaraguá do Sul e nem sempre foram concordantes com os meus pontos de vista. No entanto, a cada postagem lá estavam opinando e dando norte aos fatos.

Caso houvesse decisão contrária, o caso seria esquecido – conforme promessa que fiz.

36

PROCESSO

MarteloSou o profissional de imprensa em Jaraguá do Sul que mais sofreu tentativas de processos nos últimos 25 anos.

As acusações foram as mais diversas e em todos os casos – porque nunca fiz apontamento infundado – a Justiça me foi favorável. Nunca cometi um único crime contra a honra ou a dignidade de alguém.

Sempre fui crítico, no entanto, o reconhecimento das boas ações – raridade na política –  sempre estiveram presentes.

Dito isso – e como fiz várias vezes – vou submeter ao crivo dos leitores (via comentários), o seguinte caso:

  • Fui vítima de crime contra minha honra e o autor é um vereador de Jaraguá do Sul.
  • Tenho provas cabais do crime cometido e a confissão do delito. Tudo devidamente documentado.
  • Tenho gravação da confissão do crime.

A pergunta  que decidirá se aciono (ou não) a Justiça, é a seguinte:

  • Devo processar o vereador com todos os rigores previstos em Lei?

Se a decisão do leitor (a) for favorável ao acionamento da Justiça, o advogado que encarregarei do caso receberá minha procuração na próxima segunda-feira – dia 25 de janeiro.

Caso o leitor (a) entenda que eu deva esquecer o fato, o assunto será encerrado aqui.

Processo ou não?

9

JÁ QUE ALGUNS CHIARAM…

carica 2014…agora vou mais fundo na questão!

Explico:

Alguns lambe-botas, também conhecidos como baba ovos, chupins e puxa sacos nas horas vagas – para não perder o costume e fazer jus à teta – choramingaram as pitangas por conta dos apontamentos que fiz (tudo documentado) em relação ao pouco trabalho dos vereadores.

Um deles, apressadinho e com coragem bastante para utilizar o nick “@”, escreveu :

“Peron,,, leia mais entao pq sei q fizeram muita coisa q p nós q moramos no bairro trouxe muita diferença, afinal so estao em cinco vereadores, o resto nemm apareceu em seus comentarios ou vc vai encher de elogios pq sao do lado do prefeito”.

-Ilustre! Desde quando vereador faz obra no seu bairro? Acorde rapá! O máximo – do máximo – que um vereador faz é: indicar, pedir! Isso não significa que ele será atendido.

Para falar dos custos dos vereadores para os cofres do município e – por óbvio – aos eleitores, a tarefa consistiu em ler 80 páginas referente ao trabalho de cada um, pesquisar votação no último pleito, fazer cálculos e etc

-E alguém acha que faço só isso?

O que muitos ainda se esquecem – outros não sabem – é que sou movido por provocações!

Pois! Me senti provocado para buscar outras informações e vou fazê-lo. Anotem o que vou pesquisar detalhadamente:

  • despesas com assessores
  • despesas com cópias
  • despesas com diárias
  • despesas de correios
  • despesas de telefone

-Ou alguém acha (sonha, delira) que tenho o rabo preso com alguém? Como dizem: vai vendo!!

Acho sensacional quando certas pessoas ficam incomodadas (alguns rasgam as calcinhas) com a revelação da verdade.

Me aguardem – parasitas do erário!

10

SITUACIONISTAS – PRODUÇÃO PÍFIA

SituaçãoA edilidade situacionista – são cinco vereadores – não teve atuação muito diferente da oposição. Afora:indicações, nomes de ruas, sessões solenes, homenagens e que tais, os salários ficaram muito além da produtividade.

Quem são os vereadores situacionistas e respectiva votação? Vejamos:

Ademar Braz Winter (PSDB) – 1.720 votos

Amarildo Sarti (PV) – 2.130 votos

Eugênio Juraszek (PP) – 2.524 votos

Natalia Lucia Petry (PMDB) – 1.892 votos

Pedro Garcia (PMDB) – 1.230 votos

Sem computar assessores, telefone, diárias, despesas com correios e cópias – vejam o salários de cada um deles nos 4 anos de mandato e quanto custou cada voto recebido:

Ademar Braz Winter (PSDB) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 310,00

Amarildo Sarti (PV) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 250,33

Eugênio Juraszek (PP) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 211,25

Natália Lucia Petry (PMDB) – R$ 578.106,12 – custo para cada eleitor que votou na candidata – R$ 305,55

Pedro Garcia (PMDB) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 433,50

E que os nobre edis produziram ao longo dos últimos 3 anos?

Vejamos:

Ademar B. Winter

  • Assinou conjuntamente Projeto de Lei que proíbe ligações de água, esgoto e energia elétrica em loteamentos irregulares ou áreas de risco

Amarildo Sarti

  • Projeto de Lei 230/2013 – Altera dispositivos de de Lei Municipal sobre certidão  de regularização de edificação no Município.
  • Projeto de Lei 128/2014 – Dispõe sobre garantia de documento de identificação para pessoas ostomizadas no âmbito do município.

Eugênio Juraszek

  • Projeto de Lei 95/2013 – Cria Medalha de Honra ao Mérito por Honra ao Mérito e Bravura
  • Projeto de Lei 188/2013 – Dispõe sobre funcionamento das políticas do município sobre crianças e adolescentes
  • Projeto 29/2014 – Projeto de Lei que altera o Regimento Interno da Câmara para estabelecer a possibilidade de subscrição eletrônica para apresentação de Projeto de Lei de iniciativa popular.
  • Projeto 159/2014 – Institui manifestações artísticos em espaços específicos para conter poluição de pichações.

Natalia Lucia Petri

  • Projeto de Lei Nº 71/2015: Dispõe sobre a Criação do Dia Municipal de Combate a Homofobia, Lesbofobia e Transfobia
  • Projeto de Lei Nº 164/2015: Dispõe sobre a Criação do Dia Municipal em Memória das Vítimas do Trânsito

Pedro Garcia

  • Projeto de Lei Nº 168/2013: Institui o “Dia Municipal de Preservação do Valo Agrícola-Industrial de Itapocuzinho”
  •  Projeto de Lei Nº 170/2014: Institui a Semana Municipal de Proteção e Bem-Estar dos Animais no Município de Jaraguá do Sul.

Numa empresa – se houvesse cobrança de produção – os contratos seriam revistos!!

12

OPOSIÇÃO IMPRODUTIVA E CARA

Sexteto prontoA pergunta é simples e fácil de responder:

– Quando um funcionário é improdutivo e caro, o que o patrão faz?

Aqui – na explanação que segue – o patrão é o eleitor, responsável pela contratação dos vereadores, notadamente, os que se dizem “oposição” e que apontam os milagres como promessa de melhorar a vida do cidadão.

Por primeiro, o correto é apontar quem são os vereadores que se dizem oposição e a votação de cada um. Vejamos:

Arlindo Rincos (PP) – 1010 votos

Jair Pedri (PSDB) – 4.187 votos

Jeferson de Oliveira (PSD) – 1.748 votos

João Fiamoncini (PT) – 1.487 votos

Jocimar dos Santos de Lima (PSDC) – 1.687 votos

José Ozório de Ávila (Solidariedade) – 1.923 votos

Sem computar assessores, telefone, diárias, despesas com correios e cópias – vejam o salários de cada um deles nos 4 anos de mandato e quanto custou cada voto recebido:

Arlindo Rincos (PP) – R$ 578.106,12 – custo para cada eleitor que votou no candidato -R$572,38

Jair Pedri (PSDB) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 127,34

Jeferson de Oliveira (PSD) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 305,03

João Fiamoncini (PT) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 358,58

Jocimar dos Santos de Lima (PSDC) – R$ 533.208,48 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 316,06

José Ozório de Ávila (Solidariedade) – R$ 623.003,76 – custo para cada eleitor que votou no candidato – R$ 323,97

E qual a semelhança entre estes vereadores?

Nenhum deles apresentou UM ÚNICO Projeto de Lei de interesse coletivo. O Legislativo jaraguaense conviveu com a mediocridade improdutiva nos últimos três anos.

Querem saber da produtividade?

Zé da Farmácia – apresentou Projeto de Lei que cria o Dia da Dona de Casa

Jocimar de Lima – apresentou Projeto de Lei que proíbe a ligação de água e luz em loteamentos irregulares ou áreas de risco – contestado e modificado pelo Ministério Público por incongruências. Também apresentou o projeto de Lei que cria o “Dia da Bíblia”.

João Fiamoncini – apresentou Projeto de Lei onde professores das redes municipal, estadual e particular de ensino – no exercício da profissão – pagam apenas 50% dos valores em casas de espetáculos, praças de diversões esportivas e similares ou de difusão cultural.

O resto se resumiu em homenagens, nomes de ruas ou concessões da condição de “utilidade pública”.

Em qualquer empresa de fundo de quintal já teriam sido demitidos por improdutividade.