55

PROFESSORA DESABAFA

Professora da rede municipal de ensino em Jaraguá do Sul (cujo nome não revelo) enviou e-mail dramático.

A profissional faz um relato com muitas informações e dá detalhes dos problemas enfrentados.

Leiam:

Vou deixar aqui meu pitaco, sobre o post “SO PODE SER PIADA”… Sergio é uma piada.

– se as escolas do município estão “ainda” em bom estado é porque as APPs (Associação de Pais e Professores) ainda as mantêm, fazendo eventos nos finais de semana (para pagar a “folga e/ou emenda” de feriados – que o “novo” quer cortar) e com a contribuição de R$10,00 por família. Por que se não fosse isso, estariam iguaizinhas as do estado, pois é uma vergonha a verba de DESCENTRALIZAÇÃO FINANCEIRA que a PMJS repassa para as unidades escolares. Criem vergonha na cara e mandem mais verba pras escolas, isso é um trocado… o valor é menos da metade do salário mensal do Secretário de Educação para escola de grande porte com + ou – 800 alunos.

-“escola integral” – não há estrutura nem pra manter míseros projetos extraclasses – que dirá escola integral. Faltam profissionais qualificados, falta espaço físico, falta materiais. É que alguém precisa cuidar das crianças enquanto os pais trabalham, não é? Vai ser apenas um depósito de alunos. Façam uma enquete com os professores pra ver o que eles pensam sobre escola integral!

– “A cidade de Portland conseguiu altos índices de conscientização através de investimentos em educação…” Esta frase contém a palavra “investimento”… Por aqui, os projetos são jogados nas escolas e os professores que se lixem em aplicar e mandar os resultados para eles. E não são poucos os projetos, os professores estão de saco cheio.. É a calçada… É a rua… é o trânsito, é a água (samae), até do cachorrinho (ajapra) já apareceu este ano… Pergunto: cadê o suporte pra tudo isso? Investimento? Faz-me rir… mais um jeitinho de aplicar mal o dinheiro com o material impresso para esses projetos. Não posso me esquecer de mencionar aqui o Amigos do Zippy e agora o Amigos do Maçã estes dois custaram uma pequena fortuna aos cofres do município Sergio Peron.

– “ensino de qualidade” outra mentirada, já foi… no ensino fundamental II por exemplo, é um rodízio de professores muito grande, não há continuidade do trabalho…quando os alunos não ficam sem professores por 1 ou até dos meses em alguma disciplina. Sem falar nos ambientes tecnológicos, a grande maioria está abandonada, computadores que não funcionam, param do nada, há e no modelo do “novo” em muitas escolas – a pessoa que atende este espaço que se chama articulador das tecnologias trabalha na escola um dia, em outra dois dias e em outra ainda três dias, mas há aquelas escolas em que se trabalham os cinco dias da semana, muita qualidade nessa nova roupagem…Pergunto: a quem os professores procuram para pedir ajuda nos dias em que este profissional não está trabalhando?

– “melhores salários” se nem o que é lei se cumpre por aqui…cadê o 1/3 de hora atividade para o professor preparar aula, corrigir e preparar as avaliações, estudar, se atualizar.

– onde estão os professores de música? Já é lei também…

– “infraestrutura” muitas escolas não tem acesso para cadeirantes… elevadores? seria um luxo. Cadê a verba que o MEC disponibiliza para a acessibilidade? Façam projetos e busquem a verba, nem isso são capazes, estão falhando.

Há muito que dizer sobre a educação em Jaraguá do Sul. Só não vê a decadência quem não quer enxergar.

1

CRECHE DO IDOSO?

Excelente ideia do nobre vereador, isso mesmo ideia porque tal proposta está fora da realidade de Jaraguá do Sul e de muitas cidades brasileiras, na verdade falta conteúdo, embasamento legal (LOAS) e conhecimento de fato.

É simples de entender se não temos médico e equipe de trabalho na área da saúde suficiente para atender os munícipes nos hospitais e postos de saúde da nossa cidade, quiçá implantar uma proposta popularmente chamada de “Creche do Idoso”.

Afirmo isso com a firmeza e tranquilidade de quem esteve à frente da Coordenação dos Idosos de Jaraguá do Sul especificamente no período de 2004/2008. A ideia não é nova e como tal procurei antes de mais nada visitar as cidades que já tinham implantadas as “creches”. Na oportunidade observei nas visitas que muitos lugares não tinham infraestrutura suficiente para abrigar os idosos, equipes reduzidas de profissionais, alimentação inadequada e o pior ao final de cada expediente os familiares não resgatavam os seus idosos.

No meu modesto entendimento qualquer ação nesse sentido deverá ser cautelosa, tendo em vista que por determinação legal uma vez implantada em nossa cidade, a mesma se obrigará a atender em toda a nossa microrregião. Sendo assim considero que o prudente seria instituir uma comissão, com pessoas com conhecimento na área para averiguar as possibilidades reais, visitar, buscar subsídios necessários para a implantação da proposta.

Fora isso estará alimentando uma utopia política, baseados em discursos sem conteúdo, meramente eleitoreiros.

Caius A. Santos Xavier

4

REDUÇÃO DE IPI – NÃO É POR AÍ!

Nenhum país do mundo combate crise econômica vendendo carros, exceto o nosso.

Incentivar a compra de veículos para o transporte individual através da redução de impostos e de financiamentos com juros baixos e prazos longos para atender ao lobby de montadoras em detrimento ao transporte coletivo, é medida demagógica, inconseqüente e criminosa com nossas cidades e conseqüentemente com seus cidadãos.

Desde a sua invenção, a propaganda glamourizou o uso do automóvel dando-lhe a falsa conotação com o status social. Daí a estúpida paixão do brasileiro pela máquina de quatro rodas que substitui duas patas.

Hoje o maior problema de nossas cidades é o tráfego. Nossas ruas não mais comportam o excessivo número de veículos que a cada dia nelas são despejados.

Nossas vias interurbanas transformaram-se em campos de batalha onde, a cada ano, morrem mais de quarenta mil brasileiros e outros tantos sofrem danos físicos irreparáveis.

A solução? Uma só: transporte coletivo eficiente, com canaletas exclusivas, com conforto, com rapidez…

Mas priorizá-lo e subsidiá-lo parece não ser a vontade deste governo.

Sua vontade é fazer com que o brasileiro atole-se em dívidas, seja o campeão da inadimplência, deixe de construir um quarto para abrigar um novo filho construindo uma garagem para abrigar um carro novo ou um novo carro.

E ainda falam em “mobilidade urbana”. Ora tenham vergonha!!! Pensar momentaneamente e emergencialmente (devido a copa do mundo), em “mobilidade urbana” para meia dúzia de cidades, esquecendo-se das mais de cinco mil e quinhentas outras que também precisam de “mobilidade urbana” é, no mínimo, desrespeito e escárnio.

Enfim, lá vamos nós enfrentar o tráfego nosso de cada dia que o governo nos dá hoje.

Triste país este.

Roque Sponholz – Arquiteto e Urbanista

4

A VOLTA

Por Rui Bar y Bossa

Decisão judicial não se discute, cumpre-se. Mas não é proibido comentá-la.

O afastamento do marido e da filha da prefeita foi suspenso por decisão de um desembargador e a ordem deverá ser cumprida.

Mas…

O desembargador aceitou o argumento da supremacia da tal súmula 13 sobre a Lei Orgânica do Município e para ele foi o suficiente para suspender a ordem da juíza local.

O argumento até se aplica ao caso da filha. No caso do marido havia outro motivo assim exposto na decisão da Dra. Cândida:

Aliás, com relação ao demandado Ivo Konell a ilegalidade se afeiçoa maior porque na data da nomeação este estava com os direitos políticos suspensos, em decorrência de condenação por improbidade administrativa proferida nos Autos n. 036.93.00006-0, cujo trânsito em julgado ocorreu em 10.09.2002, consoante informado pelo Juízo Eleitoral da 87ª Zona Eleitoral de Jaraguá do Sul, no Ofício constante à fl. 361, uma vez que a Lei Orgânica Municipal determina expressamente que os Secretários Municipais deverão estar no pleno exercício dos direitos políticos (art. 76, inc. III).

Sobre este segundo motivo, o desembargador silenciou.

Portanto, ainda vai rolar muita água sob essa ponte.

33

OPORTUNISMO BARATO

“Depois que o leão está morto, todo mundo vira caçador” – Provérbio Chinês.

Infelizmente, o referido provérbio retrata o cenário político de Jaraguá do Sul, haja vista muitos políticos estarem aproveitando da situação acerca do nepotismo extraído de nosso município, devido ao pontapé inicial dado pela denúncia que elaborei em nome do Diretório Central dos Estudantes – DCE do Centro Universitário – Católica de Santa Catarina. Porém, cabe refrescar a memória de alguns aspirantes a político, e até mesmo para alguns Ilustres Vereadores, que, acerca do nepotismo, realmente, em nome DCE tomamos a iniciativa e fizemos o papel dos vereadores sim, podem até espernear, gritar, esbravejar, falar que eu faço política baixa, conforme a Vereadora Natália Lúcia Petry– PMDB afirmou na tribuna da Câmara esses dias, quando mencionou que eu afirmei que, em nome do DCE, fiz o papel dos vereadores. Porém, em 2010 a Lei Orgânica do Município – LOM foi aprovada, com o artigo 90 que veda a prática do Nepotismo em nossa cidade, agora a minha pergunta é, por que o legislativo não zelou pela real aplicação do dispositivo criado e aprovado pela Câmara? A desculpa acerca da Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADIN não é verdadeira, pois até então a ADIN não foi julgada procedente, sendo que a lei deve ser rigorosamente cumprida.

Sendo assim vou continuar afirmando, “tomamos a iniciativa sim de fiscalizar a lei, tudo isso devido à inércia cristalina dos edis em nosso município, pois de nada adianta afirmarem que criaram a lei, pois criar leis e não aplicá-las é mesma coisa que nada, ou seja, é um evidente serviço pela metade, e os ilustres Edis não estão recebendo o salário pela metade, ou estão?”.

Luís Fernando Almeida – Presidente do Diretório Central dos Estudantes – DCE da Católica/SC

3

REPOSIÇÃO

Por Rui Bar y Bossa

O tiro saiu pela culatra. O pedido para reverter a ordem de exoneração do marido e da filha da prefeita foi rechaçado pelo Tribunal de Justiça.

Agora a esperança repousa no tal de agravo de instrumento. Quanto tempo vai levar para ser julgado ninguém sabe.

Consolidado o afastamento, mesmo que de forma precária, será inevitável a pergunta de algum repórter político um pouquinho antenado:

– Senhora prefeita, quem serão os substitutos?

Isto sem contar com a vaga do Secretário Célio Bayer, e de outras que acontecerão com o afastamento de titulares que serão candidatos nas próximas eleições.

Para substituir a filha e o marido, a prefeita está com uma tremenda batata quente nas mãos. O todo poderoso marido fará de tudo para que tal não aconteça.

Supondo que ele seja convencido da necessidade de nomear novos titulares, terá primeiro que primeiro que arrumar alguns capachos que aceitem o comando, não da prefeita, mas do marido dela.

Que tal?

1

ORA, EÇA!

Por Rui Bar y Bossa

Reproduzo abaixo um texto de Eça de Queiroz (Distrito de Évora – 1867):

“Em Portugal não há ciência de governar nem há ciência de organizar oposição. Falta igualmente a aptidão, e o engenho, e o bom senso, e a moralidade, nestes dois fatos que constituem o movimento político das nações.

A ciência de governar é neste país uma habilidade, uma rotina de acaso, diversamente influenciada pela paixão, pela inveja, pela intriga, pela vaidade, pela frivolidade e pelo interesse.

A política é uma arma, em todos os pontos revolta pelas vontades contraditórias; ali dominam as más paixões; ali luta-se pela avidez do ganho ou pelo gozo da vaidade; ali há a postergação dos princípios e o desprezo dos sentimentos; ali há a abdicação de tudo o que o homem tem na alma de nobre, de generoso, de grande, de racional e de justo; em volta daquela arena enxameiam os aventureiros inteligentes, os grandes vaidosos, os especuladores ásperos; há a tristeza e a miséria; dentro há a corrupção, o patrono, o privilégio. A refrega é dura; combate-se, atraiçoa-se, brada-se, foge-se, destrói-se, corrompe-se. Todos os desperdícios, todas as violências, todas as indignidades se entrechocam ali com dor e com raiva.

À escalada sobem todos os homens inteligentes, nervosos, ambiciosos (…) todos querem penetrar na arena, ambiciosos dos espetáculos cortesãos, ávidos de consideração e de dinheiro, insaciáveis dos gozos da vaidade.”

Penso que nessas poucas palavras é possível explicar, ao menos em parte, a sensação de sapo enterrado abaixo da linha do Equador.

8

APELO

Por Rui Bar y Bossa

Pois já que não temos oposição, venho a público fazer um apelo para que o Pupo transfira o seu domicílio eleitoral para cá e que venha a ensinar os frouxos daqui.

Sim, estou apelando ao bom senso do Pupo, aquele mesmo que chegou a assumir a Prefeitura de Guaramirim.

A oposição é necessária em qualquer democracia do mundo. Não a oposição burra, com ranço, mas a oposição inteligente, que sempre deixa no adversário a certeza de que está sendo vigiado e que qualquer deslize é prontamente denunciado.

O Pupo faz oposição verdadeira. Aquela oposição pelo amor ao debate e à transparência.

E não há melhor lugar para o exercício da oposição do que o uso da tribuna pelo parlamentar. Protegido pela imunidade inerente ao mandato, ele pode levantar suspeitas, pedir esclarecimentos e informar a população sem preocupar-se com a indústria do dano moral muito em voga nos dias atuais.

Para isto o Pupo já deu mostras de grande competência, aspecto que o eleitor de Guaramirim já reconheceu em diversas eleições que ele concorreu. Os fatos falam por si:

Certa feita – aqui mesmo no blog – Pupo assumiu que ao tirar satisfações sobre impropérios ditos por um tal Chico “descomentante” numa emissora de rádio, pego de à traição – levou, como direi? uma tunda, não, uma sumanta, deixa prá lá, levou uma camaçada de pau!

De outra leva, encontrou um patroleiro em trabalhos desconformes e resolveu fotografá-lo com o celular. Mesmo ameaçado de virar uma mistura de brita com asfalto, Pupo não desistiu e acabou distribuindo a prova fiscalizatória para todos os seus contatos via celular blackberry.

Fiscalizador que se preza dispõe de ferramentas e as usa.

Por isto o apelo:

 – Pupo, venha para cá, traga sua manha política e ensine como se faz uma oposição capaz de enfrentar os coronéis que se perpetuam e nada fazem.

2

O TEMPO!

Não resta a menor dúvida de que o tempo é “senhor absoluto da verdade”.

Já disse Abraham Lincoln:

“Você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas por algum tempo; mas não consegue enganar a todas por todo o tempo.”

Ainda hoje dizia para um amigo sobre isso e para um outro – por telefone – repeti:

– Então, agora estão vendo que não sou o ruim da história? Aqui em Sodoma & Gomorra, criminoso é quem aponta o ladrão. Tenho defeitos e muitos. Entre tantos, destaco o fato de não ter travas na língua: falo bom dia com a mesma facilidade que mando pra puta que pariu! Quem me conhece e convive comigo, sabe disso. Pago o preço.

No entanto, os mesmos convivas sabem que não tenho preconceitos; tenho aversão aos preconceituosos. Tenho ojeriza de pessoas frouxas – daquelas que inventam desculpas esfarrapadas ( sou comerciante, sou isso, sou aquilo e não posso aparecer) e se mostram obedientes aos déspotas. Causa-me asco, pessoas que dizem : isso é assim mesmo, enquanto a roubalheira grassa!

Quem – em outros tempos – fazia côro em conceitos maledicentes sobre mim, sem mesmo conhecer – está mudando de opinião. Passadas duas décadas sou o mesmo. Não se pode dizer isso de outras pessoas.

Uma vez escrevi algo e acharam ruim. Vou repetir:

– Para mim, uma vez filho da puta – eternamente filho da puta! Não tripudio! Sou debochado e dou o direito da pessoa não gostar.

Um dia, se vivo ainda for, ouvirei de alguns:

– Você tinha razão!

Como já foi dito:

“Para criar inimigos não é preciso declarar guerra. Basta dizer o que pensa”